Perfil neuropsicológico em crianças com transtorno do espectro autista

Conceição Santos Fernandes, Helenice Charchat-Fichman, Patricia de Souza Barros, Fabio Mello Barbirato Nascimento Silva, Fabiana Estrela Silveira Bethlem

Resumen


O Transtorno do Espectro Autista (TEA) é um transtorno de neurodesenvolvimento com prevalência estimada de 0,3% em crianças com idade escolar no Brasil. Seu diagnóstico é essencialmente clínico e baseado em déficits sociais e comportamentos repetitivos e restritivos. Entretanto, a literatura aponta alterações em outros domínios do funcionamento cognitivo, a exemplo das funções executiva (memória de trabalho-MT, controle inibitório-CI e flexibilidade cognitiva-FC) e da possibilidade de prejuízos no índice de funcionamento global (IG). O objetivo deste estudo foi investigar o perfil neuropsicológico de crianças com TEA quanto ao funcionamento global e funções executivas nucleares (MT, CI e FC). A amostra foi constituída por 62 crianças, de 7 a 14 anos, sendo 44 participantes do grupo controle (GC) e 18 com diagnóstico TEA (GTEA). A inclusão dos participantes no GTEA se deu a partir de triagem telefônica de sintomas pela Phone Screening Interview (PSI), diagnóstico psiquiátrico baseado no DSM 5 e na escala Childhood Autism Rating Scale- CARS. O grupo controle foi compostos por crianças com desenvolvimento típico e pareado em termos de faixa etária e gênero. A avaliação neuropsicológica foi composta por: 1) escalas padronizadas e entrevistas clínicas semiestruturadas; 2) bateria neuropsicológica (índice de funcionamento global-IG, índice verbal-IV, índice de execução-IE; paradigma Stroop; fluência verbal e índice de memória de trabalho-IMT). Foram realizadas análise descritiva dos dados, teste t de Student e análise de g de hedges entre os grupos. A análise de curva ROC identificou o poder discriminativo das variáveis cognitivas, sendo o critério a presença ou não de TEA na amostra. Diferenças significativas foram encontradas para IG (t= 3,5, p<0,001) e IV (t=3,3, p<0,05), bem como IMT (t=5,7, p<0,01) e FC (F (t=2,1; p<0,05); A (t=2,9, p<0,01; M (t=3,1, p<0,01); não foi observado diferenças significativas para controle inibitório. O g de Hedges mostrou tamanho de efeito muito grande para IMT. As variáveis de IG e IMT apresentaram áreas sob curva acima de 0,80, IG apresenta sensibilidade 0,76 e especificidade 0,80 (IC =0,69-0,94) e IMT sensibilidade 0,83 e especificidade 0,68 (IC=0,76-0,97). Os resultados são relevantes para discussão quanto às diferenças em perfis neuropsicológicos em transtornos de neurodesenvolvimento.
Palavras-chave: transtorno do espectro autista, TEA, funções executivas, testes neuropsicológicos, memória de trabalho.

Texto completo:

PDF


https://www.ebsco.com     http://www.redalyc.org     http://pepsic.bvsalud.org     https://doaj.org     http://www.latindex.org     http://www.psicodoc.org     https://scholar.google.com